domingo, 18 de setembro de 2016

Verde que te quero verde!

A Câmara Municipal de Maringá, aprovou o Projeto de Lei Não-Fracking, por unanimidade. O projeto suprapartidário  é um  conquista da sociedade que teve participação marcante do Instituto da Árvore, FUNVERDE, Instituto Ideais, Rotary Club Maringá ACIM, OPEM - Ordem dos Pastores Evangélicos de Maringá e Arquidiocese de Maringá e ONGs Não-Fracking no Brasil.
Resumidamente...."O Projeto de Lei 13.986/2016 aprovado "proíbe a exploração do gás de xisto do subsolo por fraturamento hidráulico, tecnologia altamente poluente conhecida por fracking. ...O PL proíbe outorga de água e emissão de alvará para empresas que forem explorar o gás de xisto do subsolo por Fracking, além de impedir o trânsito de caminhões com produtos químicos perigosos e a realização de testes para aquisição sísmica.
**
Fracking é o método não convencional utilizado para a extração do petróleo e gás de xisto. Milhões de litros de água são injetados no subsolo a altíssima pressão misturados com areia e um coquetel de mais de 720 substâncias químicas, muitas delas cancerígenas e radioativas. Além dos impactos ambientais, contaminação das reservas de água e poluição do ar, a tecnologia também está associada a terremotos. Para extrair o metano, um hidrocarboneto sujo e perigoso, são feitas fortíssimas explosões na rocha do folhelho pirobetuminoso de xisto, provocando a instabilidade do solo. Em regiões onde há uma propensão natural a atividades sísmicas, os abalos são potencializados.

Assim com Arapongas, Maringá estará protegida dos impactos ambientais, econômicos e sociais do Fracking antes mesmo da Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP) vender o subsolo para a indústria dos combustíveis fósseis. Em 2013, o governo brasileiro vendeu blocos para exploração do gás de xisto que atingem 122 cidades do Paraná. A previsão é 154 outras cidades do Norte e Norte Pioneiro entrem na próxima rodada de licitações ainda sem data definida.
**
 O Paraná já tem mais de 70 cidades que aprovaram lei para proibir o fracking."
foto: FUNVERDE



Nenhum comentário: